A Voz do Trabalhador (3)

____________________________

Não poderemos negar. Em comparação com Germinal o jornal A Voz do Trabalhador tem uma ligação muito mais direta com o anarquismo. Os temas que permeiam o pensamento dos anarquistas está frequentemente nas páginas daquele jornal. Muitas vezes na Primeira Página, o que nos faz imaginar uma certa hegemonia de anarquistas (ou anarquista) dentro da sua direção.

Veremos abaixo mais um desses exemplos. Na edição do jornal A Voz do Trabalhador de 12 de Fevereiro de 1921 poderemos encontrar várias ideias chaves ligadas ao dicionário acrata: Anti-Patriotismo, Anti-Militarismo, Anti-Estatismo, Anti-Capitalismo, Apoio Mútuo…

Não consegui compreender uma das palavras usadas pelo autor no 4º parágrafo. Se alguém de arvorar a decifrar, os arcanjos e anjos anarquistas estarão felizes no céu (ou no inferno).

Leiam e também aproveitem para comentar. Estarei de volta no sábado que vem.

*******

As Grandes Causas Sempre Fizeram Vítimas

Estão enganados, pois, todos os homens e governos que julguem-nos assassinos, maus, perversos, perturbadores, etc. O sangue jamais foi apanágio de quem alberga um ideal tão sublime como nosso ideal.

A história da humanidade ai está latente, abride-a, lede-a. Os lamentos, os queixumes e as cenas trágicas, dantescas e divinas que se manifestam em toda revolução de caráter social, não dimanam das essências líricas de nossas altruístas concepções anárquicas. Absolutamente não ! Não dependem elas da propaganda por nós realizada no sentido de transformação radical da sociedade por nós almejada. Os atentados que a imprensa burguesa chama anarquistas não são resultado de uma análise prévia dos efeitos por eles produzidos. São isso sim – a repercussão lógica do sistema atual político fundamentado na violência, afirmado na exploração do homem pelo homem e inspirado pelo militarismo, o qual nas fachadas de seus edifícios ostenta esta inscrição incitante ao crime: Si vis pacem para belum !

Eis ai a causa dos atos violentos que tanto dão que falar aos jornalistas fariseus e judas. Eles jamais serão evitados com o insulto soez e covarde aos próprios executores.

Não existe pois razão alguma para ___________ aos indivíduos ou coletividades que tais atos praticam, pois que só o meio ambiente é o responsável direto, tendo no Estado seu pedestal infame, sempre atuando no sentido da conservação de um regime social antagônico às funções biológicas da espécie.

Mais ainda: Em períodos de convulsões anormais da sociedade, não é possível exigir ou deter o desencadeamento imbele de atos cujos efeitos sejam contraproducentes a determinada classe social.

Não é essa classe dominante a autora consciente de todos os ódios humanos? Não militariza aos homens para o crime; não assassinou na última guerra europeia 25 milhões de operários? Não semeia a morte e a desolação, a orfandade por todos os recantos da terra, inoculando às crianças desde a mais tenra infância, o espírito da guerra, da conquista, do comércio, da pátria, da religião, etc.

Afirmamos, pois, que a violência não é nem mais nem menos do que um efeito da organização política e econômica do estado-autoritário e capitalista.

Só ele pode e deve ser responsabilizado de tudo o que acontece e venha a acontecer. Exigimos uma sociedade livre, humana, baseada no apoio mútuo – condição sine qua non da felicidade social. Para isto é tão necessária e fatal a violência como o são também as catástrofes geológicas e as revoluções cosmológicas. É a vida em seus delírios de grandeza.

Fernandes Varella

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Década 1920, Jornalismo

Comente Aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s